Serie Empreendedora – Propósito

Serie Empreendedora – Propósito

A idade média da população tem se elevado, enquanto as taxas de natalidade têm diminuído, deslocando para a faixa da meia idade o foco da sociedade. Enfim, os valores que sempre giraram em torno dessa parte da população acabaram fortalecendo, parecendo estar disseminando ainda mais, a saber: o cuidado, a compaixão, a resiliência, a aspiração por significado, a preocupação com a comunidade e o legado de vida. Como nada é por acaso, esses mesmos valores estão nascendo com a geração mais nova, millennials entre outros…

Isto tem mudando bastante a vida das pessoas e das organizações, que precisam absorver esses valores para continuarem existindo. Grande parte destes valores parece hoje estar resumida em uma única palavra: o propósito. Embora esse conceito, ou esta “modinha, não seja nova, a sensação é que foi descoberto recentemente pelos empreendedores e aventureiros de negócios. De fato, sinto que o propósito vem transformando a vida de muitas organizações, que estão indo além do lucro para potencializar seu impacto na sociedade e para a sociedade.

Tanto se fala e propósito, mas para mim é claro: propósito vem de dentro, vem do coração, é o que te faz levantar todos os dias, é a razão pela qual você existe, seja, ela refletida, ou não em seu negócio. É a resposta clara de por que você faz o que faz, seja como pessoa ou como organização. A inspiração foi do Golden Circle do consultor de liderança e gerenciamento Simon Sinek, que acredita que as pessoas não compram mais o que você faz, e sim o motivo pelo qual você faz, o que está fazendo.

Aqui vale uma reflexão profunda, ao ponto de se perguntar:

O que? – O que de fato você ou sua organização entrega para a sociedade
Como? – Qual é a entrega de valor, como você entrega o seu O que?
Por quê? – Qual a resposta de você Fazer o O que? Por quê eu compraria isso de você?

No Brasil, 71% das pessoas só consomem produtos e serviços que se relacionam com seus valores, ideias e crenças, ou seja: Por quê?

Organizações com propósito claro e verdadeiro, ou seja, que “vem de dentro”, têm atraído pessoas com paixão, comprometimento, criatividade e energia para lutar pelos mesmos ideais, pois ali, o colaborador se sente fazendo parte de algo maior, relevante para o mundo. Se isso transforma internamente a organização, imagina o quanto impacto no mercado e até mesmo a relação com os clientes finais.

Fica assim muito claro que as pessoas que hoje se sentem mais felizes e bem-sucedidas são as mais conscientes do seu papel no mundo e o poder que seu trabalho lhes confere. Algumas encontraram a razão para sua carreira e se sente muito mais energizadas, poderosas e satisfeitas com suas conquistas.

No livro Conscious Capitalism, John Mackey e Raj Sisodia dizem que existir quatro grandes categorias ou classificações de propósitos:

O Bom: é o mais comum entre as organizações e as pessoas. Está ligado ao servir aos outros – aprimorar a saúde, a educação, a comunicação e qualidade de vida. É motivador gratificante para quem o abraça, pois, o resultado é sentido de forma instantânea. É bastante apropriado para o varejo e quem atua nele.

O Verdadeiro: descobre e aprofunda o conhecimento humano. Para muitos tem um grande valor descobrir e aprender algo que ninguém jamais conheceu, para o avanço coletivo da humanidade. É compartilhar por meio de livros, cursos, palestras, blog…(será que este é o meu?…:P)

O Belo: persegue a excelência e a perfeição. Tem valor porque é algo intensamente satisfatório para a alma e enriquece a vida de diversas maneiras. Está relacionando com trabalhos de criativos das artes em geral: música, pintura, fotografia, artesanato…

O Heroico: envolve a coragem para fazer o que é certo para mudar ou melhorar o mundo. Vai um pouco além dos três anteriores, pois, se propõem, a fase o que nunca foi feito, persegue o desejo de transformação o estado das coisas de forma profunda. Empreendedores de várias áreas, principalmente ligados a tecnologia, economia criativa/colaborativa, se enquadrariam aqui.

E você, e sua organização, em qual das categorias supracitadas, esta ou tem maior aderência?…pense…