Série Empreendedora – Princípios, Valores e Consumismo

Série Empreendedora – Princípios, Valores e Consumismo

A maioria das mudanças que enfrentamos na vida, são marcadas por paradoxos. Normalmente o desconhecido, se apresente, e nos convida a pensar e agir diferente, literalmente sair da nossa zona de conforto. Mesmo que algumas mudanças sejam radicais e disruptivas, todas trazem consigo as próximas páginas da nossa vida, ou do nosso legado, da nossa história.

Podemos entender um paradoxo, como algo que contradiz os nossos princípios, os nossos valores, ou de fato, o que a humanidade entende ser importante.

A maneira pela qual nos relacionamos, nossas afinidades, psicológicas, as nossas escolhas de alimentação, de amizade, de música, de programas de TV, de religião, enfim…tudo é cultura, tudo é vida, e com certeza tudo muda, alias, a única certeza que temos é a mudança.

Ninguém sabe as respostas, mas todos são livres para buscá-las. Afinal, questionar e duvidar fazem parte desse momento. Mas algo podemos garantir: nenhum empresa, ou empreendedor sobrevive descolada das aspirações contemporâneas. A inovação nunca existirá se estiver desalinhada com os ideias de uma época. Tanto se fala de inovação, mas de fato, se não tiver o consumidor, se não gerarmos uma experiência de consumo, seja ela por adoção ou financeira, a inovação não passou de uma invenção.

Não foi só a postura do consumidor que mudou. Idade, gênero e classe social não determinam mais o tipo de público nem o comportamento. Esses conceitos estão ultrapassados. O consumidor contemporâneo esta mais fluido. Tem acesso a mais informação, possibilidades, poder de compra, escolha, senso crítico, e por isso não se identifica mais com apenas um produto, uma marca, ou uma solução. Isso tudo contribui para o crescimento de um processo de “individualização”, ou, intimidade com o seu consumidor, evoluindo de um estágio infantil de identificação para um estado de maior consciência e diferenciação.

Cada vez mais nos questionamos: “Eu realmente quero comprar?, “Eu realmente preciso disso, ou daquilo?”, “De onde vêm esses produtos?”, “Qual a procedência?”, “Quem fez?”, Estas perguntas e de preferência com respostas sinceras alteram totalmente nossas relações entre as empresas, marcas, produtos, produtores, e os “novos” consumidores.

Infelizmente, o capitalismo moderno nos doutrinou na cultura do “TER”. Arruinou a vida de muitas pessoas, que passaram a tomar suas decisões (de compra e carreira a relacionamentos) baseadas em quanto poderiam ganhar, encima do outro, e quanto poderiam ter statos, ou “se parecer”. Obviamente o mesmo capitalismo, enriquece outros poucos, isso é fato e é realidade. Programas mentais, de medo, escassez, concorrência e sofrimento tomaram conta da nossa vida. Apesar de tantas maravilhas, a ganância, o egoísmo, a competição (não saudável) a exploração dos consumidores, e até mesmo dos colaboradores e dos recursos do nosso planeta tornaram-se banais, na busca desenfreada por poder, lucro e riqueza. Pense a respeito:

Você realmente esta em dia com sua saúde? (Energia Física)
Você realmente é, ou esta Feliz? (Energia Emocional)
Você tem conseguido Criar e se Concentrar? (Emergia Mental)
Você sabe a Razão de estar aqui? (Energia Espiritual)

Aqui começa, uma reflexão profunda, do que eu particularmente defendo como o propósito das empresas, das soluções, dos empreendedores…vamos falar mais a respeito…