IoT um termo utilizado para tudo, está correto? Por Jean Isensee

IoT um termo utilizado para tudo, está correto? Por Jean Isensee

IoT é o termo mais utilizado do momento na tecnologia, seja em propagandas, lançamento de novos produtos, em cursos e etc, parece que algo novo tecnologicamente tem que receber o selo IoT, isso mesmo parece selo da Procel, porém toda essa massificação sobre o termo será que está correta, o que realmente está por trás do IoT?


IoT como você deveria saber é uma abreviação para Internet of Things, traduzindo para o português Internet da Coisas, muito simples né, até uma criança sabe dizer isso, então nós poderíamos parar por aqui, já está tudo subentendido, certo? Infelizmente não, o conceito vai bem mais além, tanto além que se duas pessoas conhecedoras profundamente de IoT estiverem conversando podem não se entender, porque a tecnologia é muita nova e alguns conceitos ainda estão se estabelecendo.


Vou passar minha visão sobre IoT nesse artigo, então primeiro vamos definir os atores do IoT:


Coisa


Muitos experts definem a coisa pelo aspecto de conectividade, se tem capacidade de conexão é um dispositivo IoT ou não, não tiro a importância deste aspecto. Mas eu penso que a definição é se o principal objetivo desse dispositivo é coletar e processar dados digitais, se a resposta for negativa e esse dispositivo teve essa função adicionada então ele é uma coisa. Vejamos alguns exemplos:


– O principal objetivo de um termômetro é medir a temperatura – um termômetro digital é uma coisa;

– O principal objetivo de um laptop é coletar, processar, visualizar e transferir dados digitalmente – ele não é uma coisa;

– O principal objetivo de um sensor de presença é acender uma lâmpada – se este sensor coletar dados digitais então ele é uma coisa;


Alguns dispositivos podem levar a grandes discussões se são uma coisa ou não? Por exemplo uma TV, seu principal objetivo é transmitir programas, mas uma smartTV em que se encaixaria se ela continuar somente transmitindo programas não é uma coisa, agora se ela interagir com o telespectador então seria uma coisa. Para alguns dispositivo é necessário identificar a alteração.


Conexão


Entendemos conexão como todo dispositivo que tem conexão com um concentrador local ou em alguns casos com a internet, as formas de conexão podem ser sem fio ou cabo. Então agora temos a definição de dispositivo conectado, entretanto um dispositivo conectado ainda não é um dispositivo IoT. Vejamos abaixo exemplos de dispositivos conectados.


Sistema de Câmeras:


Hoje é muito comum termos em nossas empresas ou residências sistemas de câmeras para monitoramento, as imagens (dados) capturados são alojados em um concentrador, em alguns casos um microcomputador montado para isso, onde as imagens são gravadas. Você irá me dizer que já há sistemas que armazenam na internet, concordo, porém nesse caso você irá concordar comigo que a internet nesse caso é uma forma de conexão pois não há processamento digital.


Smart Watch:


O uso dos smart watchs ou relógios vestíveis, aqueles conectados a um celular é outro exemplo de dispositivo conectado, ele necessita de dados e informações que vem de um concentrador, nesse caso o celular, a sua forma de conexão é via Bluetooth, ele não gera dados e todas as funções dele são dependentes do celular, esse é mais um exemplo de um dispositivo conectado.


Internet


Nosso último ator dentro do IoT, para um dispositivo ser considerado um IoT o processamento dos dados, dados estes que foram gerados pela coisa e transmitidos via algum meio de conexão, são processados em algum sistema na Internet, deve existir pessoas por trás dos processos, mesmo que somente definindo as regras, entretanto o processo ocorre na internet. Vamos ver alguns exemplos abaixo.


Sensor de Presença:


O sensor de presença acenda uma lâmpada e envia esse dado para um sistema na internet, lá o dado é processado e se um movimento for detectado dentro de um horário especificado, definido por uma pessoa, ele automaticamente dispara um ação de verificação para a empresa que faz a segurança da sua empresa ou residência, fora do Brasil acionaria diretamente a polícia local.


– O objetivo principal do sensor é acender uma lâmpada e ganhou processamento digital, isso faz dele uma coisa.

– Ele está conectado a um rede, isso faz dele um dispositivo conectado.

– Ele transmite dados para a internet, sim ele enviou dados para a um sistema central que acionou sua empresa de segurança.


Heineken Button:


Esse não existe ainda no Brasil, ele é dispositivo, parece um chaveiro com um botão, que quando o botão é acionado é enviada uma informação digital a Amazon, que gera uma ordem de compra de uma garrafa ou pack, conforme regra definida por você, e é entregue em sua residência.


– O objetivo principal do botão é ser acionado e ganhou a função de transformar o acionamento em um pulso digital, isso faz dele uma coisa.

– Ele está conectado a rede sem fio da sua, isso faz dele um dispositivo conectado.

– Ele transmite dados da internet, sim ele enviou a informação para a Amazon que processou seu pedido.


Conclusão



Então para finalizar um dispositivo para ser considerado IoT tem que ter esses 3 atores trabalhando em conjunto, a coisa, que tem um objetivo principal e foi adicionada uma função digital, segundo precisa ter algum tipo de conectividade por qualquer meio que seja e por último ter processamento por um sistema na internet.

Por Jean Isensee